Loading...

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Pais e Filhos - Uma reflexão

No início, os filhos amam os pais.

Depois de um certo tempo, passam a julgá-los.

Raramente ou quase nunca os perdoam.

- Oscar Wilde -



Isso é tão triste!
Não deveria ser assim!
Já aconteceu antes.
Acontece e acontecerá muito ainda, pois reflete diretamente nosso patamar evolutivo e emocional.
Só Deus (e nós mesmos!) sabemos quanta terapia e reflexão são necessários para romper essa barreira (desnecessária e incômoda) de comunicação entre Pais e Filhos!
Na verdade, (via de regra)no fundo os pais amam os filhos e vice-versa e ardentemente desejam que esse sentimento seja reconhecido!
Só isso!
Simples assim!
Muitas vezes porém, por vários motivos, um destes (pais ou filhos) apesar de se amarem, não sabem ou não conseguem expressar-se verbalmente nesse amor!
O que é muito complicado!
Não basta amar!
Tem que falar que se ama!
Tem que ouvir que se é amado!
Quase que chego à conclusão que falar que se ama é mais importante que um monte de ações nesse sentido!
Ou não! Sei lá!
Já não sei mais nada...
É tão complexa a relação entre pais e filhos!
E não deveria ser, "a priori".

Pois reside aí a célula mater da sociedade, laboratório da nossa evolução!
E o que vemos aí?
Problemas de relacionamento, de comunicação, de poder...uma queda de braços sem fim!
Todos nós sem exceção precisamos (é vital - cientificamente comprovado até!) de amor!
Amor físico também, do tato!
Abraço, beijo...carinhos, afagos!
E palavras amistosas!
Acredito que uma relação saudável entre pais e filhos comece por aí!
Assim, dentro de uma família, o filho sempre se sentirá amado e aceito!
A família tem o dom de sempre apoiar como poucos os filhos em tudo o que eles fazem! (um dia os filhos percebem essa dura realdiade!)
Poucos realmente apóiam os filhos como os pais!
Ou quase ninguém se presta a estar presente mas "enrascadas" que os filhos se metem como os pais!
O maior desejo na realidade dos pais é que os filhos tenham o mínimo de perdão e de amor para com ele!
De respeitos por eles!
E de amor por eles!
Os pais apóiam os filhos desde que sejam coisas razoáveis (dentro das regras familiares), e são eles quem promovem o sentido de segurança aos filhos.
E esse sentido de segurança é bem amplo!
É nos pais, que encontramos a família, a célula-máter da sociedade; o lugar onde se desenvolvem as estruturas psíquicas, onde a criança forma a sua identidade e desenvolve o seu emocional.
Os pais determinam funções, os papéis e a hierarquia entre seus membros; é também o espaço social da confrontação de gerações e onde os dois sexos (masculino e feminino) definem suas diferenças e as relações de poder.
Relações de poder que igualmente são tão complicadas como a relação de amor num relacionamento!
Os pais tem como função educar os filhos e prepará-los para o convívio social.
Um dos maiores desejos dos pais é (seguramente!) ver seus filhos felizes!
Sem dúvida nenhuma!
Felizes no amor, prósperos, independentes, numa carreira sólida!
Enfim, tudo o que decorre do adjetivo: FELIZ!
Nós pais, queremos que nossos filhos sejam FELIZES!
Nosso maior desejo!
Fazemos nosso melhor!
Fazemos o que sabemos!
Mas como diz Oscar Wilde, nem sempre o filho reconhece isso!
Ou perdoa eventuais falhas!
Eles esquecem que são um legado de conhecimento e vida dos pais!
É a vida! É a Lei!
Como diz Coelho Neto: "É na educação dos filhos que se revelam as virtudes dos pais."
Virtudes ou falhas! Mas é a Lei!
Não dá para renegar!
Eu concordo muito com o Gasparetto (Luis Antônio Gasparetto - psicólogo de formação, médium psicopictográfico, escritor e locutor da Rádio Mundial FM 95,7) quando diz que devemos matar nossos pais!
Ôpaaaa...deixa eu explicar...rs
Devemos na visão dele "matar" a figura ds pais, a "função" que enxergamos nos pais e nos tornarmos amigos deles, se possível!
Para a relação ficar mais próxima!
É claro que para isso acontecer muitos pais arrogantes tem que descer do pedestal, pois se acham Deuses...isso é verdade!
Para se colocarem no mesmo patamar do filho!
E os filhos perdoarem os pais, afinal fizeram o que fizeram (bem ou ruim) da melhor forma que sabiam, fizeram seu melhor, de acordo com sua evolução!
E nada vai mudar o passado!
Então porque ficar preso ao passado e manter uam relação ruim com seus pais?!?!
Liberte-os!
Se liberte!
Perdoe seus pais!
E sejam amigo deles!
Falem para seus pais o quanto vocês os amam!
E falem para seus filhos o quanto vocês os amam também!
Enquanto há tempo!
Afinal o pior ressentimento é o de não ter feito algo que se deveria, que se desejava, que se julgava importante e não se fez!
Nunca é tarde para dizer para alguém o quanto ela é ou foi importante para você!
Faça isso!
Lembrem-se da música do poeta Renato Russo, chamada Pais e Filhos:

Você culpa seus pais por tudo
Isso é absurdo
São crianças como você
O que você vai ser
Quando você crescer?


Voltando ao perdão aos pais, lembrem-se das palavras da Oprah Winfrey:

Perdoar é abrir mão da esperança de que o passado poderia ter sido diferente.
Perdoar é seguir em frente!
Perdoar é libertar-se!


Será que os filhos só vão entender isso quando forem pais?
Será?

Para compreender os pais é preciso ter filhos.
-Sofocleto -


Pena que muitos quando percebem isso e olham para trás, não tem mais seus pais para falarem para eles que os entendem, que os amam!
Já perderam seus velhinhos...
A escolha é sua...
Eu já falei para meus filhos o quanto eu os amo!
Olhado nos olhos!
E já falei para meu pai e para minha mãe que os amo!
O quanto os amo!
Olhando nos olhos!
E mais, disse ainda:
- Obrigado! Obrigado por tudo que fizeram por mim!
Por tudo que me deram! Por tudo que me ensinaram! Por tudo que sou hoje!
Por me ensinarem a amar música, por exemplo!
E os abracei ternamente!
E secretamente em meu coração pensava: " - e os perdôo também!"
Realmente, foi libertador!
Só desejo que meus filhos e as pessoas que amo, as pessoas que estão lendo esta crônica tenham tempo de falar e sentir isso pelos seus pais!
Pois do contrário, é muito triste!
Pois mesmo não sendo bons o suficiente...
...nós somos os Pais!

Mauricio Franchi

Nenhum comentário:

Postar um comentário