Loading...

terça-feira, 28 de junho de 2011

Vastidão

Caminho lento
Meio na água, meio na areia
Quase que sem rumo
Talvez em desalento...


Gotículas tímidas da arrebentação
Salpicam agora minha face
E o sol de final de tarde ainda encontra forças
Para aquecer minha pele morena.


Uma brisa fresca me assalta
E um leve arrepio me arrebata.
Solto um assovio tímido, inseguro
Passo a mão na testa, depois no rosto
Somente para sentir que faço parte do cenário!


Estou em sintonia com essa linda natureza
Não há distinção entre minha mente, minha consciência
E esse cenário todo...tudo parece perfeito, integrado!
Estou em comunhão com o Todo!


Mas a dor da saudade ainda sacrifica meu ser
Assim como um sabre pontiagudo que rasga, fere
E picota meu peito.
E minha mente por conseguinte, padece...


A noite cai agora de mansinho
E as estrelas começam a salpicar no céu
Que em seu lindo manto negro começam a brotar felizes
E a Rainha Lua, mostrando todo seu esplendor, sorri!


É a Mãe Natureza me consolando!
Pois sobrexiste ainda o sentimento confuso
De uma mente em turbilhão.






Ah, o amor...







Simples como o Universo inteiro!









E complexo como uma lágrima delicada!






Firmo agora meu olhar num ponto distante
Lá longe... onde o sol se pôs.
E solitário
Ali sentado na areia
Fico refletindo
Analisando
A vastidão
Da imensidão
Do horizonte
Até a minha pessoa.


Pois dela só restou
O oco sentimento da perda
E a impossiblidade de se chegar
A algum lugar...

- Mauricio Franchi -

3 comentários:

  1. Mau,
    Gostei do blog.
    Nós que o conhecemos não nos surpreendemos com o conteúdo postado/sites sugeridos, por sinal muito bem escolhidos.
    Bjo

    ResponderExcluir
  2. Parabéns Mauricio.

    O Blog serve, para escrevermos o que a alma quer dizer, impressionante!

    Beijo

    ResponderExcluir