Loading...

quinta-feira, 19 de julho de 2018

A Poesia em mim! Em ti! E em tudo que vivemos!


Poesia...
Quando ouvimos ou lemos a palavra "poesia", o que pensamos?
O que nos vem à mente?
Vamos juntos estudar a poesia?
Segundo um dos dicionários possíveis de se pesquisar, encontrei que: é um substantivo feminino. É a arte de compor ou escrever versos. Uma composição em versos (livres e/ou desprovidos de rima ou não), geralmente com associações harmoniosas de palavras, ritmos e imagens.


Uma boa explicação, sem dúvida!
Mas quero me aprofundar!
E pesquisei mais...
E achei a seguinte explanação: "A poesia, ou texto lírico, é uma das sete artes tradicionais, pela qual a linguagem humana é utilizada com fins estéticos ou críticos, ou seja, ela retrata algo que pode acontecer de acordo com a imaginação do autor como a do leitor. 
O sentido da mensagem poética também pode ser, ainda que seja a forma estética a definir um texto, como poético!
A poesia também compreende aspectos metafísicos e as possibilidades desses elementos transcenderem ao mundo fático. Esse é o terreno que compete ao verdadeiro poeta."


A poesia num contexto mais alargado aparece também identificada com a própria arte, o que tem razão de ser, já que qualquer arte é, também uma forma de linguagem (ainda que não necessariamente verbal). É a arte de poetizar que nos permite exprimir aquilo que há dentro de nós. 
Ou como diz o escritor Itair Conceição Pinto: " A poesia é um poeta, poetando poemas!"
Adoro essa!
A verdade é que todo tipo de assunto, emoção ou sentimento pode ser retratado ou expressado em poesia!
Normalmente quando pensamos ou ouvimos falar de poesia, pensamos em tema de amor!
Mas nem sempre a poesia retrata amor ou desejo de romance!
Durante a história da humanidade vimos que há todo tipo de sentimento (crítica, raiva, humor, escárnio, ódio, temas pessoais reflexivos e existenciais, etc) retratado na poesia, essa forma de expressão!
Até se fala de amor na poesia! (risos)



Dentro da tal licença poética, vou usar uma parte de um tema que escrevi anteriormente (cuja leitura recomendo se o tema te atrai) nesse Blog, chamado: "Poesia, a linguagem do coração!", pois é como eu vejo e sinto a poesia em mim!
Em minha vida...
"A poesia, na verdade não se resume somente a um texto com uma determinada forma, contexto, métrica e valor emocional!
Poesia não é só um estilo literário!
Poesia é a linguagem sim dos apaixonados, de quem ama com fervor!
É também a linguagem do artista.
De todo artista!
Seja na música, teatro, escultura, pintura, etc.
E em todo tipo de arte há poesia definitivamente!
Mas há também poesia fora da arte.
Certos ofícios são realizados com tamanho carinho, dedicação e louvor, que vemos poesia.
Sentimos a poesia!
Certas obras, são levadas a efeito quase que como missão, que vemos arte nelas.
Por exemplo, o ato de cozinhar. Pode ser uma arte refinadíssima e cheia de poesia! Um ato de amor!"


Assim é para mim... a minha poesia, o que escrevo, o que sou inspirado a me expressar mormente é sobre amor!
Amor romântico! Real ou não!
Vivido ou por viver!
Amor pelas pessoas!
Amor amizade!
E amor a mim mesmo em forma de busca por auto conhecimento, com temas reflexivos, espiritualistas, filosóficos... e pessoais! 
Existenciais!



E  normalmente meu processo de criação é muito intuitivo.
É inspiração!
Normalmente eu não penso, decido mentalmente o que vou escrever.
Acontece! Flui!
Eu me percebo com aquela sensação conhecida, aquela intuição, inspiração (como queira chamar) me sento ao computador e escrevo!
Depois que termino, que vou ler!
Uma ou outra correção...mas 99% do texto sai pronto!
Ou seja, a poesia para mim fala mesmo da minha alma!
E para encerrar minha exposição, deixarei aqui uma poesia de minha autoria!
Inédita! Nunca antes publicada!
O que não significa que seja nova (risos).
Eu há escrevi cerca de vinte e cinco anos atrás.
E arrumando umas gavetas (sabe quando a gente faz aquela limpeza, jogando fora coisas que não servem? Aquele exercício de desapego?) eu achei essa poesia. E ela me inspirou a escrever esse tema no blog.
Eu não quis somente reproduzi-la aqui!
Queria falar da minha relação desde jovem com a poesia da vida!
Com as belezas que podemos descobrir em cada pessoa ou situação!
Pois beleza é algo pessoal. Uma visão única sua!
Que pode combinar com outras pessoas! Ou não1
Beleza é algo que não tem certo ou errado1
Não há padrão!
Um acha bonito! Outro não!
E gosto de expressar essas belezas que minha alma capta!
E essa poesia que irei aqui publicar, tem um título bem à propósito!
Se chama "Essência".





 Essência 

Hoje! Agora!
Já! Nesse momento
É chegada a hora
Acabou o tormento

Não mais existe
Qualquer desculpa
Não mais persiste 
Nenhuma culpa

É momento de respirar
E viver sem demora
Somente poder aspirar
Sentir o "aqui e agora"

Deixar acontecer
Vibrar e sentir
E sem temer
Abrir e deixar fluir

Poder analisar
Esta sensação
É se libertar
De punição

Conseguir sentir
O ser vibrando
Acabando por vir
E a mente mudando

Não mudando...
Vivendo! Sentindo!
Transformando
E progredindo

Pondo-se a caminho
Da felicidade
Encontrando-se sozinho
Na sincronicidade

Pois só a emoção
Leva adiante
Quando o coração
Pulsa radiante

E vibra, sentindo
Pula por dentro
Acaba atingindo
O coração, o seu centro

Onde há o comando
E a forte pilastra
Peito festejando
O amor se alastra

É ele! O amor!
Como sempre se prega
Com ele, sem dor
E a ele se entrega

E se entregando 
À sua inocência
Nada assustando
Assume a essência!

Mauricio Franchi

A ti que chegou aqui, que leu até aqui, minha enorme gratidão!
Afinal, sei que hoje há uma legião de pessoas que não gostam de ler mais! Não tem paciência, tempo, disposição, interesse, etc de lerem! Odeiam "textão".
Querem tudo resumido!
Porque perderam o interesse na poesia da vida!
Nas suas belezas e agruras!
Pois a vida (como a poesia) é de alegria e tristeza!
De amor e rancor!
Simples e amo mesmo tempo complexa!
Simples como o universo inteiro!
E complexa como uma lágrima!
Portanto, a ti que aqui chegou, meu carinho, amor e gratidão!
Se algo te tocou nessa narrativa toda, mais feliz fico!
Se nada do que escrevi te agradou, perdão!
Não há como agradar a todos!
Mas agradeço de qualquer forma ter lido, mesmo que não tenha te tocado!
O carinho em ler algo de minha autoria é altamente significativo!
Gostar ou não é um detalhe da vida...
...e da poesia!
Gratidão!
Gratidão!
Gratidão!

 Mauricio "Veeresh Das" Franchi 











quinta-feira, 21 de junho de 2018

O Bom Combate


Não se deve combater mal com o mal.
Não se deve combater ódio com ódio!
Não se deve combater intolerância, sendo intolerante!
Não se deve combater preconceito com ideias pré-concebidas!
Não se deve combater violência com violência!
Não se deve combater fobia, sendo igualmente fóbico!
Não se deve combater guerra com guerra!
Não se deve combater misoginia com misandria!
"Violência não é um sinal de força, a violência é um sinal de desespero e fraqueza." Dalai Lama
Ou seja, hoje modernamente a Lei de Talião não se justifica mais...
Esta lei é frequentemente expressa pela máxima: "olho por olho, dente por dente."
É a lei, registrada de forma escrita, mais antiga da história da humanidade. E obsoleta, defasada... não mais aceita!
"Olho por olho, e o mundo acabará cego." Mahatma Gandhi.
"A raiva não pode ser superada pela raiva. Se uma pessoa demonstra raiva de você, e você mostrar raiva em troca, o resultado é um desastre." Dalai Lama
E dentro dessa análise, temos a questão facilmente observada de quem desmerece, rebaixa, desqualifica, desvaloriza alguma visão do outro (religião, visão política, time de futebol, opinião, sexualidade, etc.) o faz para se sentir mais forte! Tentar elevar sua estima baixíssima! E se sentir superior ao outro de alguma forma!
E ademais: "Se você odeia alguém, é porque odeia alguma coisa nele que faz parte de você. O que não faz parte de nós não nos perturba." Hermann Hesse.
Tudo que se critica, se odeia no outro são partes de sim mesmo, que incomoda e não é aceito na própria pessoa por ela mesma!
“Um coração puro não julga. Ele não acusa e não compara, assim como não deseja. Um coração puro aceita e perdoa; agradece e ama. Ama de forma desinteressada. Um coração puro é aquele que só observa. Ele se expressa através de uma mente equânime, pois assiste as misérias e as alegrias sem se identificar. Através dele, o fluxo de vida e de amor não é interrompido. Ele está além dos dramas e dos jogos da natureza inferior, e sempre vibra em gratidão. Ele está sempre celebrando a vida (o sol, a lua, as estrelas, o vento, as flores, o sorriso...) e tudo que se expressa através do ser humano, porque compreende que tudo é sagrado; tudo faz parte do jogo divino. Esse coração é um símbolo que representa o seu Eu mais profundo.” - Sri Prem Baba
Em última análise, digo que o ódio cresce onde falta o amor!
A sombra aparece na ausência da luz!
Que seja então o despertar do amor a solução para esse embargo humano insistente!
O despertar do amor a si mesmo, através de uma intensa busca através do autoconhecimento!
Em seguida, despertando esse amor próprio (e com ele o auto perdão, a eliminação da culpa, etc.), poderá então amar o próximo!
E assim mudar o mundo!
Começando com a gente!
"Se você quer transformar o mundo, experimente primeiro promover o seu aperfeiçoamento pessoal e realizar inovações no seu próprio interior. Estas atitudes se refletirão em mudanças positivas no seu ambiente familiar. Deste ponto em diante, as mudanças se expandirão em proporções cada vez maiores. Tudo o que fazemos produz efeito, causa algum impacto." Dalai Lama
Esse é o "Bom Combate."
Vamos?

- Mauricio "Veeresh Das" Franchi -


quarta-feira, 16 de maio de 2018

Quem sou eu? Quem é você?


"Nos diga, quem é você?
Não quero que diga o que faz, onde trabalha... me diga quem é você?
Não quero saber seus hobbies, seus gostos... me diga, quem é você?
Não quero que os outros te definam... quem é você ?
Não quero que descreva sua personalidade ou temperamento... apenas responda... quem você é?"
Extraído do filme tratamento de Choque, com Adam Sandler e Jack Nicholson)"


Quem sou eu? Quem é você?
Apesar da fala ser de um filme de comédia (que eu adoro, por acaso), percebo que essa aparente simples pergunta, pode ser complexa para responder!
Aparentemente difícil!
Pensadores, filósofos, terapeutas, psicólogos, psicanalistas e sacerdotes de várias linhas místico espirituais buscam explorar o assunto e até ajudar as pessoas responderem essa pergunta altamente "existencial":


"Quem é você? pergunta um analista... e nossa busca toda para autoconhecimento parece que não funcionou a contento, pois parece difícil responder.
A gente trava!
Por que será?
Por que não sabemos quem somos?
Ou não sabemos o que a pessoa queira que responda? (aí a nossa necessidade de aprovação, de agradar aparece e nos intimida...)


Quem sou eu? Quem é você?
Segundo o brilhante professor e filósofo Mário Sérgio Cortella numa palestra, num  vídeo disponível no youtube com o título " você sabe com quem está falando?", ao perguntarem quem é você, ele responderia: "sou o vice treco do subtroço". (risadas)


Essa pergunta ressoa no meu ser!
Sempre existiu... sempre busquei saber, encontrar, identificar...
E busquei na terapia, na análise, na filosofia e na espiritualidade...
Percebo ainda que não sei exatamente quem sou!
Mas uma coisa importante estou descobrindo... que não quero mais ser quem as pessoas desejam!
Não quero ser mais o que esperam de mim!
Sequer quero tentar agradar a todos.
Não mais.
Então me sento confortavelmente.
Relaxo fisicamente.
Coloco uma música relaxante.
Acendo um incenso.
Presto atenção na respiração.
Faço exercícios de respiração.
E medito...
Profundamente!
Pois acredito que só há um lugar onde vá encontrar essa resposta: dentro de mim!
Em contato com meu "mestre interior", "eu divino", "consciência"... não importa o nome... mas é meu "eu". 
Profundo!
Sem máscaras!
Sem medo!
Sem julgamento!
Sem crenças e ideias!
Sei que ali me encontrarei... não para responder, mas para definitivamente, saber quem sou!
Entrar em contato, acolher, amar, perdoar... sentir quem sou!
Na essência!
Na leveza e plenitude do meu ser!
Namastê!


- Mauricio "Veeresh Das" Franchi 



AGRADECIMENTO: Minha gratidão a todos os Mestres Invisíveis do planeta azul! E a todos que na minha vida foram "Mestres" mesmo que por um dia e contribuiu de alguma forma para eu ser quem sou! 
Gratidão a todos em minha vida!
Gratidão à minha família!
Gratidão ao Budismo, Induísmo, Xamanismo, Espiritismo, Taoísmo, Zen Budismo, Sociedade Teosófica e Ordem Rosacruz AMORC por me aceitar e me ajudar nessa busca de autoconhecimento!
Gratidão a todos os livros, palestras, cursos que mergulhei nessa busca!
Gratidão a todos os tipos de terapeutas da mente e da alma que passei ou até pelos que vou ainda passar e me consultar em função dessa busca!
Gratidão de coração e alma aos seguintes mestres: Luiz Antônio Gasparetto (saudade), Professor Adhemar Ramos (saudade) e Otávio Leal, (Dhyan Prem). 
Gratidão ao meu amado Guru, Sri Prem Baba!
E gratidão aos amados Clóvis e Camila da Aldeia Xamânica Quaresmeira da Serra, por me permitir continuar nessa busca e mais... me aproximar como nunca da resposta de "Quem sou eu" através das medicinas sagradas da floresta! Ahow!
E gratidão à música, minha trilha sonora para esses momentos de busca e reflexão!

quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Amor de verdade liberta!

O verdadeiro amor ao contrário do que alguns poetas dizem e que os românticos suspiram e aspiram para si, na verdade é um conjunto universo de sentimentos, emoções e atitudes!
Amor não é ciúme intenso, louco, doente... amor não é algo que te tira o ar... ao contrário!
Amor te supre!
Ciúme é apego e posse...portanto não combina com amor! 
Não... amor não é paixão intensa e profunda!
Mas paixão faz parte do amor! 
Não, amor não é só tesão! Mas faz parte do amor!
Há várias coisas, que inclusive são esquecidas que fazem parte integrante e diria preponderante para ter amor! Eu citaria admiração, confiança, sinceridade (ou verdade), respeito e liberdade do ser! Amor não é só gostar de uma forma muito intensa! Amar demanda numa escolha! Amar demanda aceitação do que se é! Das limitações, dificuldades, da falta de experiência, da ignorância de algo (no sentido de não saber). Amar de verdade é não querer mudar o outro para si!
Não é desejar, atuar, se esforçar ou obrigar que o outro mude jeito, gostos, forma de ser, falar, agir, etc...SÓ PARA SUA CONVENIÊNCIA!
Se precisa que a pessoa mude, pergunto: há amor? De verdade?
O amor é sereno, acolhedor, maduro... e sim envolve tudo isso! E querer mudar alguém à força pelo menos, é egoístico, desrespeitoso e até agressivo! Violento!
Porque violenta a humanidade da outra.
Não a aceitando e querendo mudar à força!
Quer que a pessoa supra uma expectativa sua, somente sua! Sendo algo que não é!
Ela até pode mudar por você! Mas será falso! Será um teatro! E não se sustentará!
Só negar algo a ele e ele te cobrará (mudar à força tem preço!) porque ele fez tudo que VOCÊ queria, exigia e esperava! E ele volta atrás!
Não...ninguém muda à força! Por exigência ou até por um pedido carinhoso, amoroso! Não! Só há uma forma de mudar! Pela evolução da maturidade! Pela consciência de que se deseja mudar!
E isso parte da pessoa! Somente dela! Aí sim, pode haver uma mudança! Uma adaptação! Uma transformação! Uma repaginação! Uma ressignificação! Uma transmutação!
Por maturidade, sabedoria ou busca por evolução! Não por obrigação! Não por exigência!
Aí, por ela...a pessoa "pode" mudar!
Então se ninguém muda...cabe decidir: aceito ou não? (que também significa dizer: amo ou não como ela é?).
Se aceita a pessoa como ela é, se dá espaço para ela ser o que é... e se dá sem exatamente querer receber na mesma moeda, se a deixa livre, a respeita, a admira, sente saudade... é bem provável que seu amor seja bem maduro! E livre! E Harmonioso! E por que não, delicioso?!?!
Assim vale a pena amar e ser amado!
Assim que quero amar!

- Mauricio "Veeresh Das" Franchi -

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Se pondo no caminho do meio - Sobre Relações Humanas


Sempre assim!
As pessoas sempre tentarão te manipular!
Sempre tentarão de rebaixar, diminuir sua estima...tudo farão para te dominar!
Até chantagem emocional usam!
As artimanhas são muitas... críticas ferrenhas, uma das principais!
E te testam!
Abusam mesmo!
E se você se abaixar, montam cavalo!
Se for manso demais, te dominarão!
Agora se você não for manso demais, e levantar a espada, dar um grito de guerra... o que acontece?
Eles falarão que você é agressivo!
Violento!
Que briga!
Que fala palavrão!
Que gosta de guerra!
Então qual o caminho correto a traçar para nossas vidas?
Qual a conduta correta?
Dizer sim sempre para agradar (e ser manipulado)?
Ou rechaçar tudo com força?
Qual caminho?
Nenhum dos dois!
Tome o caminho do meio!
O caminho da serenidade!
Fazer o que o coração (e a alma mandam).
Se disser sim ou disser não o faça de coração!
Pelo seu coração!
Não pelos outros!
A sua firmeza e auto estima substituirá tanto o "ser bonzinho demais", quanto ser "agressivo".
Adote o caminho do meio, sempre!
Sempre sabendo que nem todos terão gratidão por ti!
Na verdade, a maioria do tempo não terão gratidão!
Então, não se importe com a opinião alheia!
Não vai agradar a todos mesmo!
Se ao disser não uma pessoa não te compreender, não aceitar seu não e ficar chateada...problema é exclusivo dela!
Não se deixe levar!
Escolha estar em paz!
Em harmonia!
Sereno!
Diga sim ou diga não...o faça por você!
Não pelos outros!
Não para agradar!
Quem ficar, quem te entender, respeitar...merece continuar a relação (qualquer que seja) humana que mantém!
Se não, somos obrigados a adotar a "Oração da Gestalt" de Frederich S. Perls (conhecido como Fritz Perls, psiquiatra e psicoterapeuta que fundou uma escola de estudo psicológico chamado "Gestalt-terapia") como conduta e entendimento das relações humanas:



Seja sereno, pacífico e harmônico consigo e isso se espalhará pelos outros!
Assim fará uma seleção natural na sua vida das relações humanas que te cercam!
E assim, irá restará para ti, somente o melhor!
Porque esse deve ser o caminho da sabedoria, da estima elevada e da paz: o de escolher!
De tomar decisões!
De usar o livre arbítrio!
E com isso escolher ficar em paz consigo mesmo!
Mesmo que pessoas à sua volta estejam em guerra!
Eles escolheram a guerra!
Você, a paz!
E assim, você nunca reclamará (ou se fará, ou se sentirá vítima) da "manipulação" das outras pessoas sobre você!
Porque tomou posse de si!
E de suas decisões! 

- Mauricio "Veeresh Das" Franchi -


quinta-feira, 20 de abril de 2017

Sermos aceitos, essa nossa necessidade!


Há um paradoxo na visão e conduta humana no tocante à aceitação de nós mesmos!
Pois a coisa que mais desejamos é sermos aceitos, certo?
Em termos, diria que sim!
Explico!
Na verdade desejamos sim sermos aceitos, mas não agimos nessa direção!
A necessidade de sermos aceitos "como somos" perde força para a nossa necessidade de nos sentirmos "inseridos", "partes de algo" (começando pela família, depois amigos, colegas de escola, de trabalho, de um grupo religioso, grupo de estudo e por aí vai).
É justamente aí que nos desviamos do caminho.
Porque nossa necessidade de nos sentirmos inseridos (que traz uma falsa sensação de sermos aceitos), nos faz procurar sermos "normais". Medianos. 
Iguais a todos do grupo que desejamos pertencer!
Passamos a falar como o grupo, agir como o grupo, etc., etc... fazemos tudo para nos sentirmos "parte" desse grupo.
E mudamos, adaptamos a nossa forma de ser e agir (nem sempre em acordo com nossa verdadeira vontade, nossa essência!) para essa aceitação!
Mudamos até a forma de pensar!



Mas vai dar errado!
Tudo que fizermos nesse sentido, vai dar errado!
E uma hora as máscaras vão cair!
Porque não estamos sendo autênticos!
Verdadeiros!
Espontâneos!
E mantermos essa máscara (ou pior, várias máscaras) é custoso!
Não pelos outros!
Mas por nós mesmos!
Porque algo lá dentro nos diz que há algo errado!
Existe uma vozinha aguda, insistente que nos diz que estamos agindo errado!
É a voz da nossa alma, junto com o coração!
Isso eu gosto de chamar de "nossa essência"!
Podemos nos sentir "aparentemente" aceitos, acolhidos, queridos num grupo... mas estaremos profundamente insatisfeitos!
Porque nossa "essência" não gosta de prisão!
Não aceita!
E vai nos sabotar! Ah vai...
Vai fazer nossa participação nesse grupo fracassar!
Até nós buscarmos nos conhecer (isso significa ouvirmos a vozinha da nossa alma nos falando!), e nos libertarmos dos grilhões da aprovação dos outros!
Da aceitação dos outros!
Da opinião dos outros!
Do carinho dos outros!
Do amor dos outros!
Do que for que venha dos outros!
Talvez essa descoberta possa ser através da terapia!
Seja com um psicólogo ou psicanalista!
Ou um terapeuta da alma!
Ou por alguma escola filosófica ou espiritual!
Não importa qual devemos seguir, mas devemos achar nosso caminho!
E esse caminho invariavelmente será através de nós mesmos!
De nos descobrirmos!
De nos conhecermos!
De nos amarmos!
De nos aceitarmos!
Aí ao contrário dos nossos pensamentos iniciais, seremos sim aceitos de verdade!
Porque ao nos descobrirmos, nos respeitaremos!
Seremos naturais e honestos conosco!
E isso nos liberta!
Isso nos dá poder!
Isso é nos sentirmos na presença de nós mesmos!
Aí acaba aquela nossa "necessidade", aquela carência de algo externo, porque estamos supridos de um poder interno!
Aí não nos importamos mais se nos aceitam, ou não!
Invertemos a coisa!
Nós que decidimos, que escolhemos se "aquele" grupo nos merece!
Se combina com a gente!
Se é importante para nós!
Se nos faz bem!
Se nos acrescenta!
Através dessa conduta forte, majestosa e dona de si (não confunda isso com arrogância e soberba, nem vaidade!) , realmente encontraremos na nossa caminhada pessoas que "batem" com nossa energia! 
Que combinam!
Descobrimos verdadeiras afinidades!
E elas nos aceitam de verdade!
Porque nos aceitamos de verdade!
Aceitamos levar nossa presença para aquele grupo!
E não nos amoldar àquele grupo!
Aparecerão pessoas que realmente irão se deparar e gostar da verdadeira pessoa que nós somos!
Nossa essência!
E aquela "vozinha" chata reclamando, nos cutucando dará vez a uma voz serena e suave nos confirmando!
Não é paradoxal?
Queremos ser aceitos e não conseguimos!
E só conseguimos quando (nos aceitando) deixamos de ter a necessidade (carência) de sermos aceitos!
Porque a decisão agora é nossa! (o tal empoderamento)
E não impulso do nosso inconsciente! (nossa carência que nos faz sermos marionetes).
Só conseguimos quando não queremos mais!
Essa é a chave!
Então junto com meu convite a uma reflexão, fica a indicação, a sugestão de nós procurarmos ajuda!
Procurarmos um caminho!
E esse caminho começa invariavelmente dentro de nós!
Mas qual o caminho para essa "busca interior", para o "autoconhecimento"?
Querem saber mesmo?
Ouçam aquela "vozinha" interna!
Ela vai te dizer qual o caminho certo!
E nesse "caminho" irá descobrir um imenso, profundo e real amor por si!
Auto estima!
Amor próprio!
E se amando de verdade, primeiramente, poderá amar (aceitar) os outros igualmente!
Praticando a máxima do "Mestre": "amar o próximo como a si  mesmo!"
Aceitar o próximo, como a si mesmo caberia aqui igualmente!



- Mauricio "Veeresh Das -