Loading...

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Se pondo no caminho do meio - Sobre Relações Humanas


Sempre assim!
As pessoas sempre tentarão te manipular!
Sempre tentarão de rebaixar, diminuir sua estima...tudo farão para te dominar!
Até chantagem emocional usam!
As artimanhas são muitas... críticas ferrenhas uma das principais!
E te testam!
Abusam mesmo!
E se você se abaixar, montam cavalo!
Se for manso demais, te dominarão!
Agora se você não for manso demais, e levantar a espada, dar um grito de guerra... o que acontece?
Eles falarão que você é agressivo!
Violento!
Que briga!
Que fala palavrão!
Que gosta de guerra!
Então qual o caminho correto a traçar para nossas vidas?
Qual a conduta correta?
Dizer sim sempre para agradar (e ser manipulado)?
Ou rechaçar tudo com força?
Qual caminho?
Nenhum dos dois!
Tome o caminho do meio!
O caminho da serenidade!
Fazer o que o coração (e a alma mandam).
Se disser sim ou disser não o faça de coração!
Pelo seu coração!
Não pelos outros!
A sua firmeza e auto estima substituirá tanto o "ser bonzinho demais", quanto ser "agressivo".
Adote o caminho do meio, sempre!
Sempre sabendo que nem todos terão gratidão por ti!
Na verdade, a maioria do tempo não terão gratidão!
Então, não se importe com a opinião alheia!
Não vai agradar a todos mesmo!
Se ao disser não uma pessoa não te compreender, não aceitar seu não e ficar chateada...problema é exclusivo dela!
Não se deixe levar!
Escolha estar em paz!
Em harmonia!
Sereno!
Diga sim ou diga não...o faça por você!
Não pelos outros!
Não para agradar!
Quem ficar, quem te entender, respeitar...merece continuar a relação (qualquer que seja) humana que mantém!
Se não... a porta da rua é serventia da casa!
Tipo...quer ser meu amigo? Me faz um favor!
Não quer? Me faz dois!
Seja sereno, pacífico e harmônico consigo e isso se espalhará pelos outros!
Assim fará uma seleção natural na sua vida das relações humanas que te cercam!
E assim, irá restará para ti, somente o melhor!
Porque esse deve ser o caminho da sabedoria, da estima elevada e da paz: o de escolher!
De tomar decisões!
De usar o livre arbítrio!
E com isso escolher ficar em paz consigo mesmo!
Mesmo que pessoas à sua volta estejam em guerra!
Eles escolheram a guerra!
Você, a paz!

- Mauricio "Veeresh Das" Franchi -


quinta-feira, 20 de abril de 2017

Sermos aceitos, essa nossa necessidade!


Há um paradoxo na visão e conduta humana no tocante à aceitação de nós mesmos!
Pois a coisa que mais desejamos é sermos aceitos, certo?
Em termos, diria que sim!
Explico!
Na verdade desejamos sim sermos aceitos, mas não agimos nessa direção!
A necessidade de sermos aceitos "como somos" perde força para a nossa necessidade de nos sentirmos "inseridos", "partes de algo" (começando pela família, depois amigos, colegas de escola, de trabalho, de um grupo religioso, grupo de estudo e por aí vai).
É justamente aí que nos desviamos do caminho.
Porque nossa necessidade de nos sentirmos inseridos (que traz uma falsa sensação de sermos aceitos), nos faz procurar sermos "normais". Medianos. 
Iguais a todos do grupo que desejamos pertencer!
Passamos a falar como o grupo, agir como o grupo, etc., etc... fazemos tudo para nos sentirmos "parte" desse grupo.
E mudamos, adaptamos a nossa forma de ser e agir (nem sempre em acordo com nossa verdadeira vontade, nossa essência!) para essa aceitação!
Mudamos até a forma de pensar!



Mas vai dar errado!
Tudo que fizermos nesse sentido, vai dar errado!
E uma hora as máscaras vão cair!
Porque não estamos sendo autênticos!
Verdadeiros!
Espontâneos!
E mantermos essa máscara (ou pior, várias máscaras) é custoso!
Não pelos outros!
Mas por nós mesmos!
Porque algo lá dentro nos diz que há algo errado!
Existe uma vozinha aguda, insistente que nos diz que estamos agindo errado!
É a voz da nossa alma, junto com o coração!
Isso eu gosto de chamar de "nossa essência"!
Podemos nos sentir "aparentemente" aceitos, acolhidos, queridos num grupo... mas estaremos profundamente insatisfeitos!
Porque nossa "essência" não gosta de prisão!
Não aceita!
E vai nos sabotar! Ah vai...
Vai fazer nossa participação nesse grupo fracassar!
Até nós buscarmos nos conhecer (isso significa ouvirmos a vozinha da nossa alma nos falando!), e nos libertarmos dos grilhões da aprovação dos outros!
Da aceitação dos outros!
Da opinião dos outros!
Do carinho dos outros!
Do amor dos outros!
Do que for que venha dos outros!
Talvez essa descoberta possa ser através da terapia!
Seja com um psicólogo ou psicanalista!
Ou um terapeuta da alma!
Ou por alguma escola filosófica ou espiritual!
Não importa qual devemos seguir, mas devemos achar nosso caminho!
E esse caminho invariavelmente será através de nós mesmos!
De nos descobrirmos!
De nos conhecermos!
De nos amarmos!
De nos aceitarmos!
Aí ao contrário dos nossos pensamentos iniciais, seremos sim aceitos de verdade!
Porque ao nos descobrirmos, nos respeitaremos!
Seremos naturais e honestos conosco!
E isso nos liberta!
Isso nos dá poder!
Isso é nos sentirmos na presença de nós mesmos!
Aí acaba aquela nossa "necessidade", aquela carência de algo externo, porque estamos supridos de um poder interno!
Aí não nos importamos mais se nos aceitam, ou não!
Invertemos a coisa!
Nós que decidimos, que escolhemos se "aquele" grupo nos merece!
Se combina com a gente!
Se é importante para nós!
Se nos faz bem!
Se nos acrescenta!
Através dessa conduta forte, majestosa e dona de si (não confunda isso com arrogância e soberba, nem vaidade!) , realmente encontraremos na nossa caminhada pessoas que "batem" com nossa energia! 
Que combinam!
Descobrimos verdadeiras afinidades!
E elas nos aceitam de verdade!
Porque nos aceitamos de verdade!
Aceitamos levar nossa presença para aquele grupo!
E não nos amoldar àquele grupo!
Aparecerão pessoas que realmente irão se deparar e gostar da verdadeira pessoa que nós somos!
Nossa essência!
E aquela "vozinha" chata reclamando, nos cutucando dará vez a uma voz serena e suave nos confirmando!
Não é paradoxal?
Queremos ser aceitos e não conseguimos!
E só conseguimos quando (nos aceitando) deixamos de ter a necessidade (carência) de sermos aceitos!
Porque a decisão agora é nossa! (o tal empoderamento)
E não impulso do nosso inconsciente! (nossa carência que nos faz sermos marionetes).
Só conseguimos quando não queremos mais!
Essa é a chave!
Então junto com meu convite a uma reflexão, fica a indicação, a sugestão de nós procurarmos ajuda!
Procurarmos um caminho!
E esse caminho começa invariavelmente dentro de nós!
Mas qual o caminho para essa "busca interior", para o "autoconhecimento"?
Querem saber mesmo?
Ouçam aquela "vozinha" interna!
Ela vai te dizer qual o caminho certo!
E nesse "caminho" irá descobrir um imenso, profundo e real amor por si!
Auto estima!
Amor próprio!
E se amando de verdade, primeiramente, poderá amar (aceitar) os outros igualmente!
Praticando a máxima do "Mestre": "amar o próximo como a si  mesmo!"
Aceitar o próximo, como a si mesmo caberia aqui igualmente!



- Mauricio "Veeresh Das -





sábado, 1 de abril de 2017

Estudando a mentira!


Hoje quero falar sobre um tema absolutamente polêmico e controverso: A MENTIRA!
Vocês já viram um perfil de celebridades em sites da internet, revistas, etc.?
Coisa do tipo:

  • NOME: Fulana de Tal
  • IDADE:...
  • MEDIDAS:...
  • PROFISSÃO: Atriz, modelo, apresentadora, ex-BBB, ex-Miss, aspirante a isso, a aquilo, etc...

E o perfil prossegue perguntando as coisas que mais gosta na área culinária, moda, perfume, cor, time de futebol, hobby, etc, etc. Como todo perfil de celebridade!
De repente, a pergunta fatídica acontece...
O QUE MENOS GOSTA? ou O QUE NÃO SUPORTA NA VIDA? (qualquer pergunta nesse sentido). 
E a resposta, me atrevendo a dizer que beirando o 100% de chances de ser é: A MENTIRA!!! (não foi aleatoriamente que coloquei aqui somente relação à mulher! 
Normalmente mulher que adora falar que ODEIA MENTIRA! Principalmente como falei, em entrevistas! 
Mas não quero aqui generalizar, ok? 
Usei esse exemplo somente para começar a conversa sobre a "Mentira".)
Para mim essa resposta é tão fora de propósito, tão absurda, que chega até a ser leviana! 
Vão me falar que é “politicamente correto” se expressar dessa forma? Para mim essa reposta é brega, sem criatividade, cafona e falsamente moralista!
Falso moralista é aquele que defende ou prega uma conduta moral, porém no seu dia-a-dia não a pratica.
E mais: é uma manifestação MENTIROSA!
Pronto, falei! 
Falei mesmo!
Falar que odeia mentira é balela da grossa! 
É marketing barato!
A mentira é uma coisa real, da qual não dá para fugir! 
É como a morte!
Se existem duas coisas que tenho certeza que existem e não há jeito de fugir é a morte e a mentira!
Vejam bem, não estou aqui também defendendo a mentira, não é o caso. 
Mas negá-la é tão eficaz quanto, digamos, uma criança ao se ver num iminente perigo, fechar os olhos para não ver o perigo, e por isso o perigo some, deixa de existir!
Taparmos nossos olhos para a mentira, não vai fazer a verdade sempre aparecer! De forma alguma!
Claro que se somos sacaneados através de uma mentira, ficamos doidos da vida! É óbvio!

Mentira é um assunto muito sério!
Tão sério que há consultores na área de currículo para empregos  falando para as pessoas não mentirem muito no currículo. 
Para não se complicar.
Quem não mentiu um pouquinho no seu currículo, hã? (risos)
E em contrapartida há pessoas especializadas cientificamente em detectar mentiras através das expressões corporais!
Acreditem, isso ão é ficção! Não é mentira!



Existem mentiras que podem mudar uma vida de uma pessoa! Querem um exemplo? 
Uma pessoa descobre depois de 40 anos que aquele homem e aquela mulher que acostumou a chamar de pai e mãe, não o são! Que ele é adotado! 
Isso pode gerar uma encrenca danada, um trauma! 
Já viram isso acontecer?
Voltando ainda à questão da enquete, do perfil de celebridade; quando vejo uma pessoa que fala que não suporta a mentira, eu já digo: MENTIROSA! (mais risos)
Se ela odeia tanto a mentira, não suporta assim, pergunto: será que ela mente? Claro que mente!!! Todos mentem! TODOS!!
Eu, você, todos!!
Uns mais, uns menos!
Uns dizem até que não mentem, mas omitem ou escondem! (balela! é mentira com outra roupa!)
Ou como diz um advogado conhecido meu: “Advogado não mente! Ele vê a verdade diferente!” Pode? (risada)
Dentro disso lembrei-me de uma piada. 
Permitam-me uma piada rápida no tema:

"- O Rapaz matou sua namorada num acesso de ciúme e fúria. 
Crime Passional mesmo! 
Aí procurou um Advogado famosíssimo, com uma lábia danada! Profissional controverso, mas vencedor de várias causas. 
Que cobrava ma grana alta. 
E o cara foi lá! Reuniu cara e coragem (e muita grana!) e foi falar com o Advogado. 
Após já fazer o pagamento de uma vultosa quantia só para a consulta preliminar, o advogado o recebe e pergunta o que acontecera. 
O rapaz então fora honesto e falou que matara sua namorada num acesso de ciúme. 
O advogado, ligeiro, esperto, boa lábia, rapidamente falou: “Ôpaaa! “Falaram” que você matou!”. 
Entenderam? (risos)"
...
Tem gente que fala que é visão diferente, omissão, blá, blá, blá! Mas é mentira com outra forma. Com outro tipo de uso.
Mas afinal, porque as pessoas mentem?
Pesquisando sobre o tema, verifiquei que de acordo com o dicionário Howaiss, mentira significa: “dizer, afirmar ser verdadeiro (aquilo que se sabe falso)”; dar informação falsa (a alguém) a fim de induzir ao erro, não corresponder a (aquilo que se espera); falhar, faltar, errar, causar ilusão a; dissimular a verdade; enganar, iludir, não revelar; esconder, ocultar. 
Tais definições, no entanto, pouco dizem sobre os porquês da mentira.

Há casos onde a mentira é crime. 
Falso testemunho, por exemplo! 
Falsificações em geral (de documento, dinheiro, etc.). 
A sedução ocorre através da mentira! (no caso criminal).
Vejam o caso do popular 171. 
Sabem de onde vem esse termo 171? Vem do Código Penal 
Brasileiro. E seu artigo 171 diz que incorre em crime quem: "Obter, para si ou para outrem, vantagem ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo alguém em erro, mediante artifício, ardil, ou qualquer outro meio fraudulento: Pena - reclusão, de 1 (um) a 5 (cinco) anos, e multa.
Percebam que este ardil, este artifício que a lei se refere é a mentira!



Num primeiro momento, é fácil observar que a mentira é algo “a priori” ruim!
Claro! Eu seria leviano se não concordasse que ser enganado, traído, ludibriado, iludido ou mais qualquer palavra similar, seja gostoso!
Gostoso é descobrir a verdade!(risos)
Prazeroso é pegar alguém na mentira! Isso sim! (mais risadas).
Mas de novo, porque mentimos?
E mais, mentimos sempre!
Todo dia, toda hora!
No serviço, em casa, na escola.
No relacionamento!
Mentimos até para nós mesmos!
E o pior, acreditamos na nossa própria mentira.

Somos forjados a mentir.
Por proteção, por exemplo!
Sim, pois hoje em dia, com a questão da violência, não podemos por aí dar nossos dados, endereço, telefone, para qualquer pessoa!
Então temos que usar uma “mentirinha”.
Mas é para proteção!
Mas é mentira!
E concordo, temos que muitas vezes usar a mentira!
Várias e várias vezes!
Querem ver?
A nossa namorada tá gordinha, coloca aquele vestido de cinco anos atrás! Apertado! Colado. E pergunta se está legal! 
Vá você responder sendo honesto, sincero, verdadeiro! 
Vai!?!? (Decretou sua morte...hahahaha)
Fala para ela que ela está gorda, que o vestido está feio! 
Fala a verdade?!?!? (gargalhadas).
Gente, não tem jeito...temos que falar uma mentirinha de vez em quando. Não é? (risos)
Outras vezes mentimos porque as pessoas não estão preparadas para a verdade! Não aceitam a verdade! Já pensaram nisso?
Mentimos mesmo! 
Pois com a verdade o dano vai ser maior. 
Então entramos naquela situação do “me engana que eu gosto!”
Tem gente que pede pelo amor de Deus para não falarem a verdade para ela. 
É o caso do marido ou mulher traídos, mas que por qualquer circunstância, eles querem fazer vista grossa. 
Afinal não querem desfazer o casamento. 
Não querem saber da verdade! Não interessa!
Já pensaram porque quando uma pessoa tem uma doença gravíssima, até terminal, que o médico não fala para ela. 
Chama a família para contar. 
Tem pessoa que morre e não soube o que tinha. 
Porque o médico entendeu que ela não tinha condições de lidar com a verdade!
Vai falar para o chefe que o terno dele tá ridículo, se ele pergunta como ele está vestindo?
O traidor, a traidora...mente para si (o que é mais grave até!) do que mentir só para o outro.

"Você quer que as pessoas digam a verdade?


Os psicoterapeutas procuram ter, na relação com seus clientes, uma audiência não-punitiva. Isso significa ouvir e não julgar, ouvir e não criticar, ouvir e não punir. Tal contexto é que torna possível o relato do cliente sobre coisas que não seriam ditas nem para os bons amigos.
Como foi afirmado anteriormente, pode-se mentir para ter acesso a alguma vantagem ou evitar “mal maior”. Assim sendo, as pessoas têm maior probabilidade de dizer a verdade diante de contextos em que o que elas dizem não é julgado, não é criticado, nem punido. Se um pai pune o filho quando ele relata que assistiu TV quando deveria estudar, é importante observar que ele puniu o comportamento do filho ter feito o que não devia, mas, puniu principalmente o comportamento de dizer a verdade. Pense, após ter sido punido por dizer a verdade, você a diria novamente?
É claro que nem sempre se pode aceitar a verdade sem que algum tipo de sanção seja administrada. Mas, se todo relato de alguém sobre o que fez ou como agiu diante de uma situação passa a ser criticado, julgado ou o relato passa a ser motivo para uma discussão, é provável que esse relato não ocorra mais ou que passe a ser um relato que apresente algo diferente do que ocorreu. Isso vale para qualquer relação interpessoal. Um amigo continuará dizendo a verdade sobre o que pensa sobre você se ele sentir-se ouvido. Por isso, dar espaço para as pessoas dizerem o que pensam, relatarem o que fizeram é um bom caminho seja para um pai ou uma esposa continuar ouvindo a verdade.
Outra forma de aumentar a probabilidade do dizer a verdade em crianças ou adultos é valorizar, enaltecer e gratificar os momentos em que a verdade é dita. No caso das crianças, pode-se ensiná-las a dizer a verdade, expondo-as a algumas situações em que sejam acompanhadas e solicitando que elas relatem o que experienciaram. Elogiar, enaltecer e gratificar relatos mais próximos da experiência estabelece condição para a aprendizagem do “dizer a verdade”."

Texto extraído de "Mentira: Por que as pessoas mentem?" por Fábio Augusto Caló 



Mentiras, mentirinhas e mentironas!
Quem já não as usou?
E quem já não foi vítima?!



Quem não mente, que nunca mentiu, que levante a mão!
Alguém levantou a mão? MENTIRA!
Aquelas pessoas que falam categoricamente que “ODEIAM” mentira, onde estão? Ué? Odeiam tanto a mentira, mas a utilizam?
Gente, então vamos parar com essa balela? Que tal?
Senhores jornalistas, profissionais capacitados, inteligentes, por favor, não façam mais essa pergunta a ninguém! Não utilize isso em enquete, perfil, qualquer coisa do gênero!
Ou melhor, pessoas que forem entrevistadas, parem de dizer que odeiam a mentira! Afinal, vocês mentem também!
Afinal de contas, o que é verdade? O que é mentira?
É certo que cada um tem sua verdade! 
E sua verdade necessariamente não é a verdade mais aceita. Mas é sua verdade!
Uma verdade confirmada, mas não aceita, é mentira?
Uma mentira aceita se torna verdade?
Vamos analisar: será que aquela pessoa que é mentirosa contumaz, será que ela não aprendeu desde pequena a mentir? Foi forjada por exemplo por pais extremamente severos, punitivos, que não aceitavam a verdade e a puniam com rigor? 
Será que ele não começou a mentir por medo? Por fuga? 
Será que esse tratamento não fez com que aquela criança tivesse medo e fugisse da verdade! Se iludisse? E por vezes, mentisse? Porque ela cresce e vê que as pessoas não aceitam a verdade?
Será que não foi isso?



Será mesmo que queremos tanto assim a verdade? 
Será que aceitamos a verdade mesmo? 
Será que sabemos lidar com ela? Será?
Reflitamos sobre o que é verdade e mentira.
Nesta altura dos acontecimentos quero enfatizar que não estou aqui com um discurso a favor da mentira. (verdade!). 
Nem sou contra a mentira! (também verdade!).
Digamos que mentira para mim é como uma faca.
A faca por si só não é boa, nem ruim! 
Depende.
Depende do que? Depende do uso que fazemos dela!
Se usarmos a faca para cortar aquela picanha gostosa para um maravilhoso churrasco entre amigos, então o uso é bom, positivo!
Se usarmos a faca numa discussão pra ferir alguém, então isso é ruim, negativo.
Entenderam meu ponto de vista?
Ao meu ver, mentira pode ser ruim! 
Mas pode ser boa, até salvadora! (risos)
Querem mais um exemplo? Imaginem este cenário...
Imaginem uma banda de rock que vocês amem muito! 
Mas muito mesmo! 
Vocês participam do fã-clube da banda, tem camiseta, pôsteres, bottons, possuem toda a discografia. 
Enfim, possuem tudo da banda! 
A banda é a trilha sonora da sua vida! 
Aí a banda anuncia que virá ao Brasil! Show único! 
E depois disso a banda vai encerrar as atividades! 
Não fará mais turnês. 
Por anos a fio seu maior sonho foi ver esta banda ao vivo. 
E você junta dinheiro , o ingresso é caro, mil e quinhentos reais para assistir ao show na pista, de frente para o vocalista. 
E você compra o ingresso, seis meses antes do show!
Com a maior dor no coração gastou aquele dinheirão, mas afinal de contas era “AQUELA” banda.
Aí, vem aquela “cumadi”. 
Manja a “dona cumadi”? 
Aquela prima que te chamou para batizar o filho dela. (risos)
E ela te fala: “Olha fulano, estou te telefonando agora pois você é da família e fiz poucos convites para o aniversário do Joãozinho (seu afilhado!). 
O aniversário dele será no dia...sim, o dia do show tão esperado! Ela já fechou com o Buffet, não tem jeito de voltar atrás! 
E aí ????
Ou vem aquele casal na tua casa te convidar para ser padrinho de casamento...no dia do show, que custou tanto para acontecer.
Pergunto: e aí, José? Vai falar a verdade? Quem falaria? 
Quem se portaria assim: - Olha não vou ao aniversário, casamento, formatura, velório, etc., etc., pois vou assistir minha banda favorita? Ninguém falaria. (isso é verdade! Risos) 
Por que ???
Porque ninguém aceitaria. Simples assim!
Então, temos aí mais uma situação que somos obrigados a mentir! Não tem jeito, não tem para onde fugir! Nesse dia até desligamos o celular! (risos)
...
Uma piada temática: (na verdade a intenção não é provocar somente o riso, mas a reflexão sobre o tema, ok? De uma forma divertida!)

“O rapaz, um executivo bem sucedido, casado, estava num dilema: aquela auxiliar linda, inteligente, solteira, malhada, corpo lindo, cheirosa, competente, bem vestida estava dando um baita mole para ele! Tinha deixado bem claro quais as intenções dela para com ele. E pegava pesado na sedução com ele. Ele não estava mais com forças para fugir daquele objeto de desejo ardente e resolveu sair coma gata. Saiu do escritório e foi com ela direto para o motel! Após quatro horas no motel muito bem utilizadas (deixo esta parte para sua imaginação! Risadas), ele deixa a moça na casa dela e bate aquele pensamento normal na situação: - Caramba! Minha mulher! E agora? Como vou explicar este atraso todo?
Ele tem uma idéia, antes de chegar em casa, ele passa numa casa de sinuca! Entra, cumprimenta uns amigos e se dirige a uma das mesas. Lá ele pega o giz (utilizado no taco) e passa na roupa toda...na blusa, na calça...suja as mãos no giz e vai embora para casa. Vai até com um giz atrás da orelha. Antes de sair toma uma cerveja também!
Chegando em casa, abre a porta e dá de cara com a mulher na sala, com uma tromba enorme, meio chateada, meio preocupada, que perguntava por que tinha chegado àquela hora.
Aí ele (cara de pau! - risadas - ) fala para ela: 
- Querida! Te amo! Vou falar a verdade! Acontece que tinha uma moça no escritório que estava dando em cima de mim e não agüentei e fui com ela para o motel.
A mulher com um baita ar de desconfiança chega perto dele, sente o cheiro da cerveja, olha a roupa suja de giz de sinuca e diz: - Larga de ser mentiroso! Quer me enganar? Acha que sou trouxa? Você foi é beber com os amigos, começou a jogar sinuca e esqueceu da hora! Tá até com o giz atrás da orelha!
(gargalhada!)
...
Pois é gente! Ele falou a verdade, não falou?

Como naquele “causo” que o carpinteiro foi na casa da madame, pois ela morava do lado da linha do trem. 
Como a casa balançava toda vez que o tem passava, a porta do guarda-roupa se abria e deixava o marido dela fulo da vida! 
Ele estava dentro do guarda-roupa citado examinando para ver o motivo de abrir as portas toda vez que passava o trem, quando de repente o marido enfurecido, enciumado entra no quarto, abre a porta e pergunta ao rapaz marceneiro: - O que você está fazendo aqui?
E ele começa a chorar e fala: - Se eu falar para o senhor que estou esperando o trem passar, você não vai acreditar! (risos)

Pois é... mentira é um caso sério! De verdade!
Muito complexo também!
Portanto, queridos, não façam da mentira uma arma, a vítima poderá ser vocês mesmos!
E mais que tudo...pare de condenar tão veementemente a mentira!
De dizer que esse, aquele mente!
Que odeia mentira!
Porque TODOS mentem!
Abraço forte!

- Mauricio "Veeresh Das" -



terça-feira, 28 de março de 2017

Estudando o amor !



Um mestre me disse uma vez (ele sempre fala) que a maioria das pessoas ama, gosta, adora, aceita aquela pessoa que diz sim! 
Quem faz tudo pelo outro!
Ele dizia: experimente, fale não!
Deixe de aceitar fazer coisas! 
Aí verá se ela te ama (a outra pessoa!).
(Aliás, diga de passagem como é difícil dizer não para muitos de nós... ter a coragem de dizer não! E abrir mão dessa aceitação !! Desse conforto de dizer sim e agradar, não é ? Difícil...)



Realmente temos muito o que aprender sobre amor, sobre amor incondicional... por enquanto, na nossa evolução, o “amor” é uma troca!
Os relacionamentos se mostram como uma troca! 
Um negócio! 
Você me dá, faz coisas para mim...e eu retribuo!




Que pelo menos as trocas sejam justas: você dá carinho, respeito, atenção, amor, prazer... e recebe de volta!
Agora quando nem reciprocidade se tem, quando não há contrapartida, fica difícil nós humanos, egoístas, orgulhosos, aceitarmos... pois somos mimados! 
Somos exigentes.



Então amar "apesar de" é mais que desafio!
É quase uma utopia para a humanidade, no nosso atual momento de evolução!
Talvez o amor aqui na terra mais próximo do perfeito seja o "amor de mãe".



Que muitas vezes realmente ama "apesar de"! 
Incondicionalmente!
Pegue por exemplo uma mãe de uma criança especial ou com síndrome de Down, por exemplo! 
Talvez seja mesmo o amor mais evoluído que existe no planeta!
Ama "apesar de qualquer coisa" o seu filho!
Mas veja, mãe é ser humano!
E como é humana, sonha com retribuição, ou gratidão... (mesmo que inconscientemente espera reconhecimento!) e por vezes até se faz de mártir, reclama a falta de reconhecimento!
Mas nem essa falta de reconhecimento não a faz deixar de amar! Ela reclama, mas ama!
Se faz até de vítima (para manipular, dominar, ter reconhecimento e gratidão, que a obedeçam, que faça do jeito que ela quer...), mas ama!
Incondicionalmente (quase!).
“Amor de mãe” talvez seja o mais perfeito amor que se acha na terra. Ou um dos mais...


Talvez seja por isso que nos relacionamentos o "homem" procura a mãe na sua mulher, nas suas mulheres! 
Porque a imagem de "mãe" associada à mulher é muito forte! (me lembrei de Freud, com seu "Édipo").
A esse sentimento de aconchego, de abastecimento, de suprir suas necessidades (até sua fome... fome de viver, fome sexual, fome emocional... vê na mãe o suprimento de todas as suas carências!).
E é esse amor que ele busca, que ele precisa!
O amor de quem vem para suprir suas carências!


Mas egoísta (e mal acostumado com a mãe) ele quer para ele esse amor, mas muitas vezes não está disposto a dar esse amor!
Provavelmente por não ter aprendido a dar esse amor!
Só aprendeu a receber!
Pode não ser culpa dele!
Sim, o amor é a energia motriz do universo! 
Mas ainda não é algo que tenhamos entendido muito! 
Que tenhamos experienciado! Aprendido!
Ainda queremos muito receber....sem dar ou dando pouco!
Talvez o maior desafio não seja amar apesar de, e sim amar, dar sem se preocupar em receber!


Isso sim é um amor elevado! Maduro! Diria até espiritual!
Estamos preparados para dar sem nos preocupar em receber?
Em fazer algo sem esperar contrapartida? 
Um retorno? Reconhecimento? 
Ou até culpa? (para a pessoa fazer algo por nós por culpa? não por vontade? Entrando no esquema de manipulação? Sim, porque só há a manipulação se existe manipulador e manipulado!).
Será esse amor desinteressado utópico? Será mesmo que existe fraternidade? Altruísmo? Será? Ou a peculiaridade mesmo dos relacionamentos humanos é a troca?
Aí a gente estuda, analisa...se é uma troca, então me sinto bem com (porque me agrada), gosto  (porque faz as coisas do meu jeito), adoro (porque até aprendeu a gostar das minhas coisas), me faz bem (porque não confronta meu ego e não me diz não!)... mas será que amo? De verdade?
Apesar de? Será que amo? Será que amei um dia?
Talvez amar não seja a utopia!


Talvez não seja impossível e desafiador!
Talvez dar sem se preocupar em receber o seja!
Talvez o desafiador seja confrontar nosso ego dominador, nosso orgulho limitante e ameaçador.
Talvez tenhamos entendido tudo errado na frase: “amar ao próximo, como a si mesmo”, pois para amar o próximo, precisamos nos amar primeiro!
E se nos amamos, se somos completos, não somos a “metade” do outro!
Não complementamos o outro!
Não suprimos o outro!
Não queremos suprir as carências do outro, para que ele supra as nossas!


Que a gente então se resolva!
Esteja inteiro!
Se amando!
Se aceitando!
Para amar o outro!
Amando apesar do não, do mau humor, das dificuldades e limitações!
Amar apesar de... e amar simplesmente por amar!
Talvez essa seja a chave da evolução (e o motivo) de nossa estada no planeta: APRENDER A AMAR DE VERDADE!
Nós chegaremos lá...

- Mauricio Veeresh Das -